O candidato a vice-prefeito de Porto Alegre, João Carlos da Luz Diogo (PSD), que compõe a chapa com o candidato a prefeito Valter Nagelstein (PSD), respondeu a algumas perguntas da Associação Comercial de Porto Alegre (ACPA) sobre a sua gestão caso seja eleito.

 

Perguntas

 

– De que forma será a atuação da sua candidatura para atender as demandas da cidade? A minha atuação será voltada mais para a Segurança Pública, além de auxiliar o Valter Nagelstein nas demais áreas. Inclusive vou ser um vice, caso sejamos eleitos, que terá uma pasta para atuar, que é a da Segurança Pública.

 

– Quais serão as suas incumbências na próxima administração, caso seja eleito? Irei trabalhar muito forte na área da Segurança Pública, onde pretendemos desenvolver um trabalho chamado Sistema Estratégico de Segurança e Desenvolvimento para atuar na segurança preventiva e repressiva, visando o desenvolvimento social, econômico e humano. Vamos atuar na base, ou seja, na família onde ela precisa estar bem estruturada, através de um planejamento familiar para prevenir uma série de situações de vulnerabilidade social, que muitas vezes resultam no envolvimento com a criminalidade.

 

A questão da iluminação pública, inclusão social através do Esporte e Cultura são algumas outras áreas que iremos trabalhar, além da escola em tempo integral com contraturno para evitar que as crianças também sejam recrutadas pela criminalidade. Queremos ter no entorno das escolas a Área de Segurança Escolar, onde se estabeleça um perímetro de 200 metros para a proteção total das crianças. Inclusive, vamos criar o Sistema de Vigilância Aerodrone para fazer um trabalho junto às escolas e prender os traficantes que agem nas proximidades das instituições de ensino. Queremos fazer um trabalho integrado com o DENARC (Departamento Estadual de Narcóticos) para a vigilância com drones, disponibilizando essas imagens para que o departamento efetue a prisão dos traficantes, além de servirem para a elucidação e prisão do delinquente.

 

Está previsto um trabalho para atuar na prevenção secundária. Eu diria que é uma prevenção “interventiva”, na qual nós queremos integrar o trabalho da Polícia Civil, Brigada Militar e também as Guardas Municipais. O trabalho tem que evoluir dessa forma, com o apoio da tecnologia, inteligência e operacionalidade integrando essas forças policiais para que sejam eficientes, eficazes e efetivas. Queremos também desenvolver um trabalho junto ao Centro Integrado de Comando e Controle da Capital, onde queremos ampliar a vigilância eletrônica, por que ela é extremante importante para a Segurança Pública. Ela tem a função de prevenir e auxiliar a polícia na prisão dos delinquentes, tem a função de esclarecer através das imagens os crimes, e tem também a função probatória no inquérito policial. Então, a ampliação dessas câmeras de vigilância e aerodrone é uma grande ferramenta tecnológica de inteligência para a Segurança Pública. Queremos fazer um trabalho forte nesse sentido.

 

Está na nossa plataforma desenvolver um trabalho voltado para a mulher vítima da violência. Uma das ações é, junto ao Centro Integrado de Comando e Controle, onde iremos criar um sistema para que a mulher que estiver em medida protetiva e venha ser incomodada, possa acionar o dispositivo e a Brigada Militar fazer a intervenção. Vamos criar as Patrulhas Volantes junto com a Brigada Militar em um lugar estratégico dentro do cercamento eletrônico a fim de efetuar a prisão dos delinquentes.

 

Queremos fazer uma parceria com o Estado, mesmo que a questão dos presos seja um assunto mais da esfera estadual. A ideia é que o Estado ceda o espaço físico para fazermos a recuperação e socialização dos presos, fazer a inserção deles na sociedade. Queremos criar o Sistema Penitenciário Sustentável, onde o preso vai ser autossustentável, com locais para o apenado trabalhar e que possibilite a sua recuperação espiritual junto com a pastoral carcerária dentro do sistema.

 

Entendemos que Segurança Pública não se faz só prendendo. Nós temos que trabalhar na prevenção, que é o mais importante de tudo, e em todas as áreas da administração. Os gestores públicos no Brasil trabalham de forma equivocada, pois atuam no efeito e não na causa.

 

– Quais os planos para a retomada das atividades econômicas? Temos planos para o desenvolvimento social e econômico através da criação de um ambiente atrativo para investimentos e novos empreendimentos.

 

– Qual a fonte de recursos para a realização dos planos apresentados pela candidatura que representas? Os valores não são muito grandes. Nós queremos trabalhar mais na área de inteligência e tecnologia. Os recursos serão oriundos da Secretaria Nacional de Segurança Pública através de projeto originários do Gabinete de Gestão Integrada Municipal onde têm representações de diversos órgãos de segurança.

 

Nós já temos o Centro Integrado de Comando e Controle, que tem uma tecnologia avançada e na qual queremos agregar mais eficiência. Em paralelo, desenvolver pessoas multiplicadoras para trabalhar nos programas voltados à saúde e educação da família. Vamos trabalhar com o foco na prevenção.

 

– Quais as políticas de relacionamento com os vereadores? Vamos estreitar o diálogo com os vereadores, por que as ações não são realizadas de forma isolada. Nós não podemos ter a pretensão de resolver tudo sozinhos. Dependemos do Parlamento. O Executivo junto ao Parlamento no sentido de realizar um trabalho em prol da sociedade. Se o Executivo não tiver um bom relacionamento com o Parlamento, os projetos de lei não vão evoluir e, com isso, o prefeito não realiza nada. A gestão tem que se cercar de pessoas qualificadas, especialistas em áreas estratégicas, e o prefeito precisa ter uma relação amistosa para que possa trabalhar para a sociedade. Eu e o Valter somos pessoas de diálogo.

 

– Como será a administração dos recursos públicos frente aos planos de investimentos pretendidos pelo senhor? Existem recursos destinados para áreas estratégicas como Saúde, Educação, Segurança Pública e mais algumas áreas. Vamos cumprir com o destino dos recursos conforme orienta a lei na sua integralidade. Havendo saldo nos recursos, vamos dividir entre as prioridades, como os planos para a área da Segurança Pública, Saúde, Educação, Esporte e tudo que envolve a administração como um todo.

 

Experiência Profissional:

– Advogado;

– Investigador de Polícia com 18 anos de idade, o mais jovem da história no RS;

– Concluiu o Curso Superior de Delegado de Polícia com 27 anos de idade;

– Titular da Delegacia de Roubos de Veículo;

– Diretor da Divisão de Crimes contra o Patrimônio – DICRIPA/DEIC;

– Diretor da Divisão de Homicídios – DEIC/PC e Coordenador Operacional do CIOSP/SSP, assumindo também o posto de Negociador da SSP;

– Diretor da 10ª Delegacia de Polícia Regional de São Leopoldo e Canoas;

– Diretor do Departamento de Inteligência da Secretaria de Segurança – SSP/RS;

– Diretor da Divisão de Assessoramento Especial – DENARC/PC;

Publicado em: 5 de novembro de 2020

Compartilhar:

Recomendados:

23 de dezembro de 2020

Os desafios de um 2020 de olho em 2021

O ano de 2020 foi desafiador. O primeiro demonstrativo de que algo muito [...]


Ler mais
10 de dezembro de 2020

Diálogo Jurídico abordou a implementação da LGPD na ACPA

O evento online Diálogo Jurídico, que aconteceu nessa quinta-feira (10/12), [...]


Ler mais
10 de dezembro de 2020

Embaixador do Uruguai participa de reunião na ACPA

O Embaixador do Uruguai, Guillermo Vallesa, participou de um evento na [...]


Ler mais